.posts recentes

. Posts Futuros

. Desculpem tanto tempo sem...

. Resumo da obra "Os Maias"...

. Leiria

. Nós e o Liceu

. Reportagem: Como era Eça ...

. Reportagem: Como era Eça ...

. Entrevista a Eça de Queir...

. Perguntas e Respostas da ...

. A sua obra...

.As Nossas Fontes

http://figaro.fis.uc.pt/queiros/lista_obras.html http://pt.wikipedia.org/wiki/E%C3%A7a_de_Queiroz http://www.feq.pt/cronologia.aspx http://purl.pt/93/1/biobibliografia/1845.html http://www.instituto-camoes.pt/cvc/literatura/eca.htm
Segunda-feira, 5 de Março de 2007

Resumo da obra "Os Maias" de Eça de Queirós

      A acção de "Os Maias" passa-se em Lisboa, na segunda metade do séc. XIX. Conta-nos a história de três gerações da família Maia.
      A acção inicia-se no Outono de 1875, altura em que Afonso da Maia, nobre e rico proprietário, se instala no Ramalhete. O seu único filho – Pedro da Maia – de carácter fraco, resultante de um educação extremamente religiosa e proteccionista à portuguesa, casa-se, contra a vontade do pai, com a filha de um antigo negreiro, Maria Monforte, de quem tem dois filhos – um menino e uma menina. Mas a esposa após conhecer Tancredo, um príncipe italiano que Pedro alvejara acidentalmente enquanto caçava, acabaria por o abandonar para fugir com o Napolitano, levando consigo a filha, de quem nunca mais se soube o paradeiro. O filho – Carlos da Maia – viria a ser entregue aos cuidados do avô, após o suicídio de Pedro da Maia, devido ao desgosto da fuga da mulher que tanto amava.
      Carlos passa a infância com o avô, recebendo uma educação rígida. Principalmente direccionada à educação e só depois à religião. Forma-se depois, em Medicina, em Coimbra. Carlos regressa a Lisboa, ao Ramalhete, após a formatura, onde se vai rodear de alguns amigos, como o João da Ega, Alencar, Damaso Salcede, Palma de Cavalão, Euzébiozinho, o maestro Cruges, entre outros. Seguindo os hábitos dos que o rodeavam, Carlos envolve-se com a Condessa de Gouvarinho, que depois irá abandonar. Um dia fica deslumbrado ao conhecer Maria Eduarda, que julgava ser mulher do brasileiro Castro Gomes. Carlos segue-a algum tempo sem êxito, mas acaba por conseguir uma aproximação quando é chamado por ela, para visitar, como médico, a  sua governanta que adoecera. Começam então os seus encontros com Maria Eduarda, visto que Castro Gomes estava ausente. Carlos chega mesmo a comprar uma casa onde instala a amante.
Castro Gomes descobre o sucedido e procura Carlos, dizendo que Maria Eduarda não era sua mulher, mas sim sua amante e que, portanto, podia ficar com ela.
      Entretanto, chega de Paris um emigrante, que diz ter conhecido a mãe de Maria Eduarda e que a procura para lhe entregar um cofre desta que, segundo ela lhe dissera, continha documentos que identificariam e garantiriam para a filha uma boa herança. Essa mulher era Maria Monforte – a mãe de Maria Eduarda era, portanto, também a mães de Carlos. Os amantes eram irmãos.
      Contudo, Carlos não aceita este facto e mantém abertamente, a relação – incestuosa – com a irmã, sem que esta saiba que são irmãos. Afonso da Maia, o velho avô, ao descobrir que Carlos, mesmo sabendo que Maria Eduarda é sua irmã, continua com a relação, morre de desgosto.
      Ao tomar conhecimento, Maria Eduarda, agora rica, parte para o estrangeiro; e Carlos, para se distrair, vai correr o mundo.

      O romance termina com o regresso de Carlos a Lisboa, passados 10 anos, e o seu reencontro com Portugal e com Ega, que lhe diz: - "Falhámos a vida, menino!".


publicado por f4elevadom às 00:07

link do post | comentar | favorito
|

29 comentários:
De Anónimo a 28 de Maio de 2011 às 11:45
O único erro que detectei em relação às personagens, foi que Carlos da Maia ia a casa de Maria Eduarda, não porque a governata estava doente, mas sim porque a filha de Maria Eduarda (Rosiclier ou Rosa, que não é filha de Sr. Castro Gomes) estava doente!!

De resto, acho que o resumo está bem conseguido, considerando que o livro tem mais de 700 páginas. Agora não queiram conseguir ter boa nota só por ler um resumo de 1 página. O livro tem muitos mais aspectos que podem ser sujeitos a avaliação!


De Ana a 19 de Março de 2013 às 22:18
A primeira vez que Carlos se dirigiu à habitação de Maria Eduarda foi devido à filha desta de se encontrar doente. Mas depois, o motivo que levou Carlos a dirigir-se ao mesmo lugar foi devido à doença de tuberculose da governata...


Comentar post

.mais sobre nós

.Março 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


.links

.pesquisar

 

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds